Simpósio aproxima pesquisadores e gestores - ABRESC

Simpósio aproxima pesquisadores e gestores

Abresc promove, neste sábado, 30, no teatro da Unip, a primeira edição do seu Simpósio de Arte e Educação

Por: Harlen Felix

A Academia Brasileira de Escritores (Abresc) realiza, neste sábado, 30, a primeira edição do Simpósio Abresc de Arte e Educação, cujo objetivo é apresentar perspectivas técnicas e mercadológicas acerca dos desafios do mercado de educação, trazidos ao público por gestores com atuação de destaque, que irão expor suas experiências práticas, discutindo os diferentes elementos que compõem a grande área de educação, com diferentes abordagens, nacionais e internacionais.

Segundo o jornalista e editor João Paulo Vani, fundador da Abresc, a realização deste evento permitirá a discussão da constante reavaliação de caminhos para instituições de ensino, por reunir pesquisadores e professores acadêmicos ao lado de gestores.

A programação do Simpósio Abresc de Arte e Educação é dividida em três painéis, que abordarão os seguintes temas: “A importância da capacitação e formação continuada para o mercado de trabalho”, “A relevância do empreendedorismo e inovação para as áreas de ciência, tecnologia e educação” e “Os desafios da gestão na educação em rede”.

A expectativa é de reunir cerca de 400 participantes no evento, entre pesquisadores, professores universitários, representantes governamentais e da sociedade civil organizada, consultores e estudantes de graduação e pós-graduação. “Conseguimos formar um time de palestrantes que dará uma visão abrangente para quem quer entrar no mercado editorial”, comenta Vani.

O fundador da Abresc destaca que o simpósio é um dos grandes eventos que marcará o calendário anual da academia sediada em Rio Preto a partir deste ano. “O simpósio finaliza as atividades do primeiro semestre. Também continuaremos realizando anualmente a cerimônia para a outorga de títulos de imortais até completarmos as 40 cadeiras da Abresc.”

Fazendo valer seu diálogo com o mercado, a Abresc também se manifestou recentemente à Câmara Brasileira do Livro (ABL) contra as mudanças feitas nas categorias da edição deste ano do Prêmio Jabuti, a maior premiação da literatura no País. “Consideramos um retrocesso unir duas categorias, a de livro infantil e de livro infantojuvenil, que foram separadas há 18 anos. Trata-se de gêneros que têm um público-alvo distinto, e a mudança atrapalha a formação de leitores”, pontua Vani.

Serviço

Fonte: Diário da Região